Arquivos do Mês

dezembro 2016

Lição 17 – Cantares / Domingo.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

Você já leu uma descrição de amor mais bela que essa? Ore e peça a Deus que dê o amor descrito nesse capitulo para você, seu conjugue ou futuro conjugue.


Ah, quem dera você fosse meu irmão, amamentado nos seios de minha mãe! Então, se eu o encontrasse fora de casa, eu o beijaria, e ninguém me desprezaria.
Eu o conduziria e o traria à casa de minha mãe, e você me ensinaria. Eu lhe daria vinho aromatizado para beber, o néctar das minhas romãs.
O seu braço esquerdo esteja debaixo da minha cabeça e o seu braço direito me abrace.
Mulheres de Jerusalém, eu as faço jurar: Não despertem nem incomodem o amor enquanto ele não o quiser.
Quem vem subindo do deserto, apoiada em seu amado? Debaixo da macieira eu o despertei; ali esteve a sua mãe em trabalho de parto, ali sofreu as dores aquela que o deu à luz.
Coloque-me como um selo sobre o seu coração; como um selo sobre o seu braço; pois o amor é tão forte quanto a morte, e o ciúme é tão inflexível quanto a sepultura. Suas brasas são fogo ardente, são labaredas do Senhor.
Nem muitas águas conseguem apagar o amor; os rios não conseguem levá-lo na correnteza. Se alguém oferecesse todas as riquezas da sua casa para adquirir o amor, seria totalmente desprezado.
Temos uma irmãzinha; seus seios ainda não estão crescidos. O que faremos com nossa irmã no dia em que for pedida em casamento?
Se ela for um muro, construiremos sobre ela uma torre de prata. Se ela for uma porta, nós a reforçaremos com tábuas de cedro.
Eu sou um muro, e meus seios são as suas torres. Assim me tornei aos olhos dele como alguém que dá paz.
Salomão possuía uma vinha em Baal-Hamom; ele entregou a sua vinha a arrendatários. Cada um devia trazer pelos frutos da vinha doze quilos de prata.
Quanto à minha própria vinha, essa está em meu poder; os doze quilos de prata são para você, ó Salomão, e dois quilos e meio são para os que tomaram conta dos seus frutos.
Você, que habita nos jardins, os amigos desejam ouvi-la; deixe-me ouvir a sua voz!
Venha depressa, meu amado, e seja como uma gazela, ou como um cervo novo saltando sobre os montes carregados de especiarias.

 

Cantares 8 – NVI

 

Lição 17 – Cantares / Sábado.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

O capitulo descreve maturidade que veio depois da crise. Como você encara as crises em seu relacionamento? Como reage diante delas?


Como são lindos os seus pés calçados com sandálias, ó filha do príncipe! As curvas das suas coxas são como jóias, obra das mãos de um artífice.
Seu umbigo é uma taça redonda onde nunca falta o vinho de boa mistura. Sua cintura é um monte de trigo cercado de lírios.
Seus seios são como dois filhotes de corça, gêmeos de uma gazela.
Seu pescoço é como uma torre de marfim. Seus olhos são como os açudes de Hesbom, junto à porta de Bate-Rabim. Seu nariz é como a torre do Líbano voltada para Damasco.
Sua cabeça se eleva como o monte Carmelo. Seus cabelos soltos têm reflexos de púrpura; o rei caiu prisioneiro das suas ondas.
Como você é linda! Como você me agrada! Ó amor, com suas delícias!
Seu porte é como o da palmeira, e os seus seios como cachos de frutos.
Eu disse: Subirei à palmeira; eu me apossarei dos seus frutos. Sejam os seus seios como os cachos da videira, o aroma da sua respiração como maçãs,
e a sua boca como o melhor vinho… vinho que flui suavemente para o meu amado, escorrendo suavemente sobre os lábios de quem já vai adormecendo.
Eu pertenço ao meu amado, e ele me deseja.
Venha, meu amado, vamos fugir para o campo, passemos a noite nos povoados.
Vamos cedo para as vinhas para ver se as videiras brotaram, se as suas flores se abriram, e se as romãs estão em flor; ali eu lhe darei o meu amor.
As mandrágoras exalam o seu perfume, e à nossa porta há todo tipo de frutos finos, secos e frescos, que reservei para você, meu amado.

 

 

Cantares 7 – NVI

Lição 17 – Cantares / Sexta-Feira.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

“Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu”. Não há nada mais belo do que a fidelidade entre os conjugues.


Para onde foi o seu amado, ó mais linda das mulheres? Diga-nos para onde foi o seu amado e o procuraremos junto com você!
O meu amado desceu ao seu jardim, aos canteiros de especiarias, para descansar nos jardins e colher lírios.
Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele descansa entre os lírios.
Minha querida, você é linda como Tirza, bela como Jerusalém, admirável como um exército e suas bandeiras.
Desvie de mim os seus olhos, pois eles me perturbam. Seu cabelo é como um rebanho de cabras que desce de Gileade.
Seus dentes são como um rebanho de ovelhas que sobem do lavadouro. Cada uma tem o seu par, não há nenhuma sem crias.
Suas faces, por trás do véu, são como as metades de uma romã.
Pode haver sessenta rainhas, e oitenta concubinas, e um número sem fim de virgens,
mas ela é única, a minha pomba, minha mulher ideal! Ela é a filha favorita de sua mãe, a predileta daquela que a deu à luz. Quando outras jovens a vêem, dizem que ela é muito feliz; as rainhas e as concubinas a elogiam.
Quem é essa que aparece como o alvorecer, bela como a lua, brilhante como o sol, admirável como um exército e suas bandeiras?
Desci ao bosque das nogueiras para ver os renovos no vale, para ver se as videiras tinham brotado e se as romãs estavam em flor.
Antes que eu o percebesse, você me colocou entre as carruagens, com um príncipe ao meu lado.
Volte, volte, Sulamita; volte, volte, para que a contemplemos. Por que vocês querem contemplar a Sulamita, como na dança de Maanaim?

 

Cantares 6 – NVI

 

Lição 17 – Cantares / Quinta-Feira.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

Todos tem defeitos e qualidades. O que mais você admira e o que mais lhe agrada do seu conjugue?


Entrei em meu jardim, minha irmã, minha noiva; ajuntei a minha mirra com as minhas especiarias. Comi o meu favo e o meu mel; Bebi o meu vinho e o meu leite. Comam, amigos, bebam e embriaguem-se, ó amados.
Eu estava quase dormindo, mas o meu coração estava acordado. Escutem! O meu amado está batendo: Abra-me a porta, minha irmã, minha querida, minha pomba, minha mulher ideal, pois a minha cabeça está encharcada de orvalho, o meu cabelo, da umidade da noite.
Já tirei a túnica; terei que vestir-me de novo? Já lavei os pés; terei que sujá-los de novo?
O meu amado pôs a mão por uma abertura da tranca; meu coração começou a palpitar por causa dele.
Levantei-me para abrir-lhe a porta; minhas mãos destilavam mirra, meus dedos vertiam mirra, na maçaneta da tranca.
Eu abri, mas o meu amado se fora; o meu amado já havia partido. Eu quase desmaiei de tristeza! Procurei-o, mas não o encontrei. Eu o chamei, mas ele não respondeu.
As sentinelas me encontraram enquanto faziam a ronda na cidade. Bateram-me, feriram-me; e tomaram o meu manto, as sentinelas dos muros!
Ó mulheres de Jerusalém, eu lhes faço jurar: se encontrarem o meu amado, o que dirão a ele? Digam-lhe que estou doente de amor.
Que diferença há entre o seu amado e outro qualquer, ó você, das mulheres a mais linda? Que diferença há entre o seu amado e outro qualquer, para você nos obrigar a tal promessa?
O meu amado tem a pele bronzeada; ele se destaca entre dez mil.
Sua cabeça é ouro, o ouro mais puro; seus cabelos ondulam ao vento como ramos de palmeira; são negros como o corvo.
Seus olhos são como pombas junto aos regatos de água, lavados em leite, incrustados como jóias.
Suas faces são como um jardim de especiarias que exalam perfume. Seus lábios são como lírios que destilam mirra.
Seus braços são cilindros de ouro engastados com berilo. Seu tronco é como marfim polido adornado de safiras.
Suas pernas são colunas de mármore firmadas em bases de ouro puro. Sua aparência é como o Líbano; ele é elegante como os cedros.
Sua boca é a própria doçura; ele é mui desejável. Esse é o meu amado, esse é o meu querido, ó mulheres de Jerusalém.

 

Cantares 5 – NVI

Lição 17 – Cantares / Quarta-Feira.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

Não basta viver junto, é preciso aproveitar momentos especiais. Qual foi a ultima vez que você e seu conjugue tiveram um tempo de qualidade juntos?


Como você é linda, minha querida! Ah, como é linda! Seus olhos, por trás do véu, são pombas. Seu cabelo é como um rebanho de cabras que vem descendo do monte Gileade.
Seus dentes são como um rebanho de ovelhas recém-tosquiadas que vão subindo do lavadouro. Cada uma tem o seu par; não há nenhuma sem crias.
Seus lábios são como um fio vermelho; sua boca é belíssima. Suas faces, por trás do véu, são como as metades de uma romã.
Seu pescoço é como a torre de Davi, construída como arsenal. Nela estão pendurados mil escudos, todos eles escudos de heróicos guerreiros.
Seus dois seios são como filhotes de cervo, como filhotes gêmeos de uma gazela que repousam entre os lírios.
Enquanto não raia o dia e as sombras não fogem, irei à montanha da mirra e à colina do incenso.
Você é toda linda, minha querida; em você não há defeito algum.
Venha do Líbano comigo, minha noiva, venha do Líbano comigo. Desça do alto do Amana, do topo do Senir, do alto do Hermom, das covas dos leões e das tocas dos leopardos nas montanhas.
Você fez disparar o meu coração, minha irmã, minha noiva; fez disparar o meu coração com um simples olhar, com uma simples jóia dos seus colares.
Quão deliciosas são as suas carícias, minha irmã, minha noiva! Suas carícias são mais agradáveis que o vinho, e a fragrância do seu perfume supera o de qualquer especiaria!
Os seus lábios gotejam a doçura dos favos de mel, minha noiva; leite e mel estão debaixo da sua língua. A fragrância das suas vestes é como a fragrância do Líbano.
Você é um jardim fechado, minha irmã, minha noiva; você é uma nascente fechada, uma fonte selada.
De você brota um pomar de romãs com frutos seletos, com flores de hena e nardo,
nardo e açafrão, cálamo e canela, com todas as madeiras aromáticas, mirra e aloés e as mais finas especiarias.
Você é uma fonte de jardim, um poço de águas vivas, que descem do Líbano.
Acorde, vento norte! Venha, vento sul! Soprem em meu jardim, para que a sua fragrância se espalhe ao seu redor. Que o meu amado entre em seu jardim e saboreie os seus deliciosos frutos.

 

Cantares 4 – NVI

Lição 17 – Cantares /Terça-Feira.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

Você elogia seu conjugue? As demonstrações de amor não devem se restringir ao período do namoro.


Como um lírio entre os espinhos é a minha amada entre as jovens.
Como uma macieira entre as árvores da floresta é o meu amado entre os jovens. Tenho prazer em sentar-me à sua sombra; o seu fruto é doce ao meu paladar.
Veja! O inverno passou; as chuvas acabaram e já se foram.

 

Cantares 2.2-3.11 – NVI

Lição 17 – Cantares / Segunda-Feira.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

Como anda seu romantismo? Siga o modelo do sábio e use toda poesia ao seu alcance para se relacionar com a pessoa que Deus preparou para você.


 

Cântico dos Cânticos de Salomão.
Ah, se ele me beijasse, se a sua boca me cobrisse de beijos… Sim, as suas carícias são mais agradáveis que o vinho.

 

Cantares 1. 1-2. – NVI

 

Lição 16 – Eclesiastes / Domingo.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

Você tem investido tempo com o Senhor? Tem gastado sua vida no serviço Dele?


 

Lembre-se do seu Criador nos dias da sua juventude, antes que venham os dias difíceis e antes que se aproximem os anos em que você dirá: “Não tenho satisfação neles”;
antes que se escureçam o sol e a luz, a lua e as estrelas, e as nuvens voltem depois da chuva;
quando os guardas da casa tremerem e os homens fortes caminharem encurvados, e pararem os moedores por serem poucos, e aqueles que olham pelas janelas enxergarem embaçado;
quando as portas da rua forem fechadas e diminuir o som da moagem; quando o barulho das aves o fizer despertar, mas o som de todas as canções lhe parecer fraco;
quando você tiver medo de altura, e dos perigos das ruas; quando florir a amendoeira, o gafanhoto for um peso e o desejo já não se despertar. Então o homem se vai para o seu lar eterno, e os pranteadores já vagueiam pelas ruas.
Sim, lembre-se dele, antes que se rompa o cordão de prata, ou se quebre a taça de ouro; antes que o cântaro se despedace junto à fonte, a roda se quebre junto ao poço,
o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu.
“Tudo sem sentido! Sem sentido! “, diz o mestre. “Nada faz sentido! Nada faz sentido! ”
Além de ser sábio, o mestre também ensinou conhecimento ao povo. Ele escutou, examinou e colecionou muitos provérbios.
Procurou também encontrar as palavras certas, e o que ele escreveu era reto e verdadeiro.
As palavras dos sábios são como aguilhões, a coleção dos seus ditos como pregos bem fixados, provenientes do único Pastor.
Cuidado, meu filho; nada acrescente a eles. Não há limite para a produção de livros, e estudar demais deixa exausto o corpo.
Agora que já se ouviu tudo, aqui está a conclusão: Tema a Deus e guarde os seus mandamentos, pois isso é o essencial para o homem.
Pois Deus trará a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mal.

 

Eclesiastes 12 – NVI

Lição 16 – Eclesiastes / Sábado.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

Que equilíbrio o sábio apresenta entre lidar com os bens materiais e o relacionamento com o Senhor? Você pode dizer que sua postura é equilibrada?


Atire o seu pão sobre as águas, e depois de muitos dias você tornará a encontrá-lo.
Reparta o que você tem com sete, até mesmo com oito, pois você não sabe que desgraça poderá cair sobre a terra.
Quando as nuvens estão cheias de água, derramam chuva sobre a terra. Quer uma árvore caia para o sul quer para o norte, no lugar em que cair ficará.
Quem observa o vento não plantará; e quem olha para as nuvens não colherá.
Assim como você não conhece o caminho do vento, nem como o corpo é formado no ventre de uma mulher, também não pode compreender as obras de Deus, o Criador de todas as coisas.
Plante de manhã a sua semente, e mesmo ao entardecer não deixe as suas mãos ficarem à toa, pois você não sabe o que acontecerá, se esta ou aquela produzirá, ou se as duas serão igualmente boas.
A luz é agradável, é bom ver o sol.
Por mais que um homem viva, deve desfrutar sua vida toda. Lembre-se, porém, dos dias de trevas, pois serão muitos. Tudo o que está para vir não faz sentido.
Alegre-se, jovem, na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude! Siga por onde seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas essas coisas Deus o trará a julgamento.
Afaste do coração a ansiedade e acabe com o sofrimento do seu corpo, pois a juventude e o vigor são passageiros.

Eclesiastes 11 – NVI

Lição 16 – Eclesiastes / Sexta-Feira.

De | Leitura Diária | Nenhum comentário

A vida é curta. Aproveite cada instante para viver junto ao Senhor!


 

Refleti nisso tudo e cheguei à conclusão de que os justos e os sábios, e aquilo que eles fazem, estão nas mãos de Deus. O que os espera, se amor ou ódio, ninguém sabe.
Todos partilham um destino comum: o justo e o ímpio, o bom e o mau, o puro e o impuro, o que oferece sacrifícios e o que não oferece. O que acontece com o homem bom, acontece com o pecador; o que acontece com quem faz juramentos, acontece com quem teme fazê-los.
Este é o mal que há em tudo o que acontece debaixo do sol: O destino de todos é o mesmo. O coração dos homens, além do mais, está cheio de maldade e de loucura durante toda a vida; e por fim eles se juntarão aos mortos.
Quem está entre os vivos tem esperança; até um cachorro vivo é melhor do que um leão morto!
Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos nada sabem; para eles não haverá mais recompensa, e já não se tem lembrança deles.
Para eles o amor, o ódio e a inveja há muito desapareceram; nunca mais terão parte em nada do que acontece debaixo do sol.
Portanto, vá, coma com prazer a sua comida, e beba o seu vinho de coração alegre, pois Deus já se agradou do que você faz.
Esteja sempre vestido com roupas de festa, e unja sempre a sua cabeça com óleo.
Desfrute a vida com a mulher a quem você ama, todos os dias desta vida sem sentido que Deus dá a você debaixo do sol; todos os seus dias sem sentido! Pois essa é a sua recompensa na vida pelo seu árduo trabalho debaixo do sol.
O que as suas mãos tiverem que fazer, que o façam com toda a sua força, pois na sepultura, para onde você vai, não há atividade nem planejamento, não há conhecimento nem sabedoria.
Percebi ainda outra coisa debaixo do sol: Os velozes nem sempre vencem a corrida; os fortes nem sempre triunfam na guerra; os sábios nem sempre têm comida; os prudentes nem sempre são ricos; os instruídos nem sempre têm prestígio; pois o tempo e o acaso afetam a todos.
Além do mais, ninguém sabe quando virá a sua hora: Assim como os peixes são apanhados numa rede fatal e os pássaros são pegos num laço, também os homens são enredados pelos tempos de desgraça que caem inesperadamente sobre eles.
Também vi debaixo do sol este exemplo de sabedoria que muito me impressionou.
Havia uma pequena cidade, de poucos habitantes. Um rei poderoso veio contra ela, cercou-a com muitos dispositivos de guerra.
Ora, naquela cidade vivia um homem pobre mas sábio, e com sua sabedoria ele salvou a cidade. No entanto, ninguém se lembrou daquele pobre.
Por isso pensei: Embora a sabedoria seja melhor do que a força, a sabedoria do pobre é desprezada, e logo já não se dá atenção às suas palavras.
As palavras dos sábios devem ser ouvidas com mais atenção do que os gritos de quem domina sobre tolos.
A sabedoria é melhor do que as armas de guerra, mas um só pecador destrói muita coisa boa.

 

Eclesiastes 9 – NVI